segunda-feira, 3 de maio de 2010

EDUARDO



Eu nasci em 02 de abril de 1982, no Hospital Estadual Pedro II, aqui no Rio de Janeiro, no seio de uma família muito unida, mas com poucos recursos materiais.
 Com o passar do tempo, meu avô materno começou a perceber que eu apresentava um desenvolvimento motor muito abaixo da média. Eu, aos 10 meses de idade, sequer conseguia ficar sentado. 
Minha mãe, muito jovem, não conseguia enxergar que havia realmente uma anormalidade no meu desenvolvimento e, apenas quando eu comecei a chorar demais (em virtude das fortes dores de cabeça) é que minha mãe procurou auxílio médico.
Chegando ao hospital, foram feitos diversos exames procurando alguma má formação óssea, pelo fato de eu não sentar com quase um ano de idade. Como não foi encontrado nenhum problema dessa natureza, os médicos partiram para o campo neurológico e, só aí, constataram a minha hidrocefalia.
 
Minha mãe ficou extremamente assustada por nunca ter ouvido falar na doença e, sabe-se, àquela época, a hidrocefalia não era uma doença tão conhecida.

Minha primeira cirurgia foi feita às pressas, no Hospital Federal dos Servidores do Estado e, na medida do possível, foi um sucesso. Ocorre que, como previsto, houve rejeição e eu passei por maus bocados.

Foram sucessivas internações e cirurgias de reparo e eu vivi boa parte da minha infância em hospitais públicos, convivendo com o que Papai do Céu enviou pra mim. Além das intempéries relacionadas à saúde, passei por grandes apertos financeiros, familiares, amorosos... Como todo mundo.

Sempre tive, por parte dos médicos, recomendações de uma vida limitada: sem correrias, sem bagunças, sem futebol etc. Mas, sinceramente, nunca obedeci a essas regras... Hehehehehe. 
 
Assumo que, por boa parte da minha infância e adolescência, fui arredio e indisciplinado no tocante aos limites que teoricamente me eram impostos, mas nunca reclamei da doença. Enfim, eu não reclamava porque as limitações existiam, eu simplesmente não as cumpria...

Eu sempre me permiti levar uma vida normal, dentro do possível.

Um episódio muito marcante foi quando, aos 06 anos de idade, eu ouvi um médico falar para minha mãe que eu jamais passaria dos 14 anos. Aquilo ficou na minha cabeça de forma permanente...Um verdadeiro tormento.

Ainda, aos 06 anos, a caminho de uma cirurgia de emergência, eu sofri um acidente de carro muito violento, mas, graças ao bom Deus, sofri ferimentos leves, mas um grande trauma ficou em mim.

Foram 10 neurocirurgias durante a infância, de 1983 a 1989. Fiquei em coma, fiquei temporariamente cego, fiquei temporariamente sem andar, fiquei temporariamente estrábico, vejam bem temporariamente. E ainda, uma grande “loucura”: nasci destro, passei a ser ambidestro e, atualmente, sou canhoto...Hehe.

Finalmente a hidrocefalia me deu férias. Passei 08 anos longe da faca (1989 a 1997) e vivi uma pré-adolescência normal. Lembro que, quando eu tinha 13 anos, pensando estar vivendo o último ano de minha vida, eu comecei a fazer muitas besteiras: bebia, fumava, pichava muros, depredava coisas etc... 
 O meu aniversário de 14 anos foi horrível! Eu me tranquei no quarto pensando que eu morreria naquele dia! Graças a Deus a profecia do médico não vingou!!!

Em 1997, após a comemoração dos meus 15 anos, com muitas ovadas na cabeça, eu fui operado às pressas, mas foi uma cirurgia rápida e simples. Em 1998, aos 16 anos, voltei à mesa de cirurgia, mas, igualmente, foi só uma cirurgia de reparação. 
Nessa última cirurgia, a minha antiga válvula, com uma aderência muito grande ao tecido, foi apenas “desligada” e foi colocada uma segunda válvula em mim. 
Essas duas últimas cirurgias foram em hospitais particulares, graças ao plano de saúde que meu pai pôde pagar pra mim. Depois disso, fiquei 06 anos longe da “navalha”.

Em 21/04/2004, eu, após realizar a prova de um concurso público, cheguei à casa da minha mãe e, após o banho, senti um frio gigantesco. Estranhei por ser tratar de um dia de muito calor, mas, despreocupado, fui deitar.
 
Ao chegar ao quarto, minha mãe, me vendo debaixo daquele edredom, num calor tremendo, ficou preocupada e mediu minha temperatura. Eu estava ardendo em febre. Tomei remédio e fui dormir.

Ao longo da madrugada, uma dor de cabeça sem igual tomou conta de mim e, na parte da manhã, eu comecei a vomitar muito.
Fui direto pra um hospital (o melhor do Rio), onde o meu neurocirurgião trabalhava. Chegando lá, fizeram uma série de exame e constataram que eu estava com meningite viral. Porém, havia uma agravante: as duas válvulas estavam servindo de foco para o vírus e precisariam ser retiradas urgentemente.

Foi quando o neurocirurgião disse à minha mãe: “Se deixarmos as válvulas, ele certamente morrerá. Se tentarmos retirar as válvulas (até mesmo a antiga que tinha uma aderência muito grande), as chances de óbito caem para 80%!” Minha mãe ficou, lógico, desesperada.

Foram 14 horas de cirurgia, durante a madrugada, a manhã e parte da tarde do dia 23/04/2004 (quando comemoro meu segundo aniversário, afinal, nasci de novo). Foi um mês de internação no CTI do hospital e, durante a internação, mais duas cirurgias emergenciais. Nesse momento complicado, pude contar com uma família maravilhosa ao meu lado e com a minha namorada da época, extremamente entregue a me ajudar, por quem nutro um carinho e amor gigantes até hoje. 
De lá pra cá, estou há 05 anos longe dos hospitais. Contrariando as previsões mais óbvias, eu sempre fui um excelente aluno, nunca fiquei em recuperação, passei no vestibular para universidades federais na primeira tentativa, me formei em inglês através de um curso de idiomas, sou advogado, estou terminando minha pós-graduação e estou seguindo a vida. 
 
 
No campo amoroso sempre tive sorte: tive namoradas (e não foram poucas... hehe) extremamente compreensivas e companheiras que nunca tiveram o mínimo preconceito com minha doença. Hoje conto com a companhia de uma menina linda e doce, com a qual tenho imensa vontade de formar uma família muito feliz.
 
Atualmente, tenho sentido algumas dores na válvula e a tomografia acusou uma hiperdrenagem. O neurocirurgião já esclareceu que só há uma saída: a 16ª neurocirurgia. Mas, por enquanto, eu estou conseguindo driblar a hidro e o neuro... Hehe.

Eu costumo dizer que minha vida, ao contrário do que possa parecer, não foi um compêndio de sofrimentos e angústias. O que eu tive foram provas e expiações (com base na minha religião). 
Na verdade, Deus me deu a maravilhosa oportunidade de pagar um pouquinho das dívidas que adquiri em encarnações passadas...E agradeço muito por isso. Vou vivendo e procurando ajudar a quem puder...Até quando Deus achar que meu tempo por aqui acabou.

Eu costumo dizer que a felicidade não é algo objetivo, mas sim subjetivo.

 

Existem pessoas que têm tudo...Material e sentimentalmente...Mas são infelizes.

Ao contrário, existem pessoas que não têm nada...São miseráveis e abandonadas...Mas são felizes.
A gente tem mania de conceituar, delimitar o que é felicidade...condicionando-a bens materiais e sucesso familiar e social.

Várias pessoas ouvem minha história e ficam com pena, achando que fui um sofredor.

 


Talvez, realmente eu tenha tido uma história complicada, mas, sinceramente, eu nem senti! Fui feliz sendo pobre, sendo doente, sendo muitas vezes rejeitado social e amorosamente! É... Por mais que isso pareça surreal, é verdade!

 

A felicidade é algo muito mais sutil... É, de fato, um estado de espírito.


Por isso, lhes digo: por mais que você veja sua filha, ou seu filho enfrentando dificuldades (das mais diversas formas), não presuma que ela ou ele é infeliz.


Dê o melhor de si e faça de tudo para que ele ou ela seja feliz, mesmo que seja, aparentemente, doente e digno de pena.


Ninguém poderá julgar a felicidade de seu filho, senão ele mesmo e, claro, DEUS.

 

Pra ser feliz, ele não precisa ser médico, advogado, se casar e ter filhos (como a maioria pensa)... É preciso simplesmente SER FELIZ! E para isso não existe uma fórmula, a não ser viver em paz consigo mesmo e com o próximo!

Beijos no coração!

18 comentários:

Teresinha disse...

Edu sua histori de garra e superação com certeza vai nos ajudar a enfrentar as pequenas dificuldades de nossa estrada usando suas palavras de provas e expiações , porque como você sou espirita e acredito piamente que nada em nossa vida acontece por acaso,mas sim um resgate de vidas passadas!!!
Vou divulgar para o maximo de medicos possiveis as tuas palavras que foram marcantes aos 06 anos ouvires que não viveria mais de que 14 anos e o tanto que isso influi em seu modo de vida.
Como uma Fenix você resurgiu das cinzas e olha só que pessoa maravilhosa se tornaste....
Com certeza será exemplo a ser seguido por muitas de nossas crianças, hoje super protegidas pelos nossos medos, e com teu exemplo de superação , de garra e determinação está aqui a nos contar sua historia!!!!

Rosa disse...

REALMENTE EDU, SUA HISTÓRIA É UMA LIÇÃO DE VIDA PARA TODOS NÓS,QUE MUITAS VEZES COM TÃO POUCA COISA, NOS DEIXAMOS ABATER. SUA HISTÓRIA NOS FAZ
REFLETIR EM CADA SEGUNDO DE NOSSAS VIDA, PARA TENTAMOS ACEITAR OS ACONTECIDOS COM HUMILDADE E SABEDORIA.E VER EM CADA DETALHE DA VIDA UM MOTIVO
PARA SER MUITO MAIS FELIZ.

Teísa disse...

Eduardo, meu querido! Como tua história emociona. Para nós que estamos lendo, é tudo muito lindo, emocionante,... mas eu, egoísticamente, penso muito na sua mãe. Como foi tudo isso para ela??? Junto com vc, seus pais e irmãos são vitoriosíssimos, são campeões em superação de obstáculos não?

Criei a comu para ajudar as mães que estavam com o diagnóstico de hidrocefalia nas mãos, nem tinha noção de que havia tantas mães com os filhos já crescidos e vencedores, mas principalmente, não imaginava o quanto eu seria ajudada com as histórias de vida e sucesso, que eu estou tendo a oportunidade de conhecer.

Amo você como filho de verdade!!!

Relamente, Deus nunca se deixa vencer em generosidade!!!

Não tem jeito, vou repetir o que disse pra Di, sou sua fã!!!

Teísa disse...

Esqueci de falar, ô menino bonito!!!!

dicasampaio disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Eu rio e choro ao mesmo tempo, ao fim desta sua história e dos recadinhos... Este é o meu irmão de alma, lindo, querido e especial!!!!!!!!!!! Me sinto uma formiga perto de todos os seus desafios... E queria ser assim tão bem resolvida qto vc, querido!!!!!!!!!!!!!! Um dia, chego lá... E no meio de todos os elogios a q vc faz jus, sobrou até pra mim, numa repescagem de rasgação de seda da nossa mama querida, né???? E, a propósito... Fazendo coro com ela... EITA MANINHO BONITOOOOOO!!!!!!!!!!!!! Obrigada por me fazer tão bem...

Bjos!!!!!!!!!!

Nana

Elaine disse...

Uau, Edu, que história linda linda de viver! Parabéns a vc e a toda sua família!
Realmente é um exemplo pra todos nós que estamos chegando agora na Hidrocefalia!
Obrigada por compartilhar conosco toda a sua experiência!
Bjs
Elaine

Ana Paula disse...

Oi Eduardo

Parabéns pela sua história, realmente faço de tudo para a minha Eduarda ser feliz ( por acaso também nasceu no dia 02 de abril).
Mas lendo a sua história vejo que teremos até desafios, mas o Senhor sempre estará conosco.

Ana Paula

Marisa Jandira disse...

Deus nos dá o fardo e nos ajuda carrega-lo,e o teu Edu está sendo humildemente carregado,tua missão está sendo cumprida.Vou seguir o coro das fãs:Mas bah que guri lindo!!!!!!!

DANIELA disse...

ei, agorA QUE ME DEI CONTA TB! A MARIA TB É DE 2 DE ABRIL!!!!!

Rita Lee disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fabiana disse...

Palmas ,palmas ,palmas somente isso q deu vontade de fazer apos ler sua história emocionante!!!!!Linda historia, que superação!!!e como vc era bagunceiro hein Edu!!!!mas sei q foi graças a todas as coisas q vc viveu intensamente vc se tornou essa pessoa de hj!!!!Maravilhoso me espelho em vc!!!!!qnta coisas vc ja viveu e é apenas 2 anos mais velho q eu!!!!!!!Parabens msm..... bjuu Faby

sulamita disse...

Eduardo que história mt mt emocionante

Nessas horas a gente tira forças de onde não teem mais
mais Deus sabe sempre o melhor para nos
Beijo

Rita Lee disse...

Removi, mas estou de volta
Eduardo.
Qd se conhece a Hidro, pode dar um frio na barriga; mas qd se convive, com a superação, mesmo com desfios, a história segue linda.
Edu, estudar atualmente parece ser um desfio para algumas pessoas, mas não para um lutador como vc.
Realmente vc veio ao mundo para vencer, siga sp em frente, rumo ao Mestrado e Doutorado, nos estudos; pq na vida vc já é um doutor.
Só os fortes vencem;os fracos ficam ao logo do caminho
Maria Teresinha

Alessandra Rodrigues disse...

Passar por momentos complicados talvez qq um passe, mas o incrível é ver como vc tirou de todos eles e absorveu a parte mais doce!!!
Sua história é contagiante, cheia de otimismo, fé e amor.
A frase sobre felicidade é tudo, melhor que isso só a foto dos chifrinhos kkkkkk...
Parabéns Eduardo, continue espalhando esta energia por ai!
bjo.

carla disse...

Eduardo,

Lendo sua história e crente do que é cada existência para nós, só posso te desejar um caminho cheio de luz, aprendizado e evolução... tenho certeza que vc já contribuiu e muito para que o mundo se torne cada vez melhor e que no futuro possamos usufruir de um planeta de regeneração e não mais expiações e provas........bj no coração

sana reis disse...

nossa vc tem uma força e uma vontade de viver impressionantes e mt lindo,parabens pelo ser humano que vc e.Eu entrei e li o seu depoimento por que estou fazendo TCC sobre hidrocefalia. E se possivel queria fazer algumas perguntas sobre a patologia com vc grata.

sana reis disse...

nossa vc tem uma força e uma vontade de viver impressionantes e mt lindo,parabens pelo ser humano que vc e.Eu entrei e li o seu depoimento por que estou fazendo TCC sobre hidrocefalia. E se possivel queria fazer algumas perguntas sobre a patologia com vc grata.

Neidi Copetti disse...

Linda história de superação! Será que alguém teria o contato desse moço valente e também da criadora do blog?

Postar um comentário

 

Seguidores

©  Copyright by HIDROCEFALIA

Blog design by Gizaa Veiga |Template Secret Garden | 2010 |Kit Scrap by Jaelop Designs